1. Resumo:

O aplicativo Vita é um agente pessoal que auxilia na escolha mais eficiente do meio de transporte a ser utilizado. Ele armazena o histórico detalhado de todos os trajetos percorridos pelo usuário, permitindo realizar uma análise inteligente da informação de seu transporte de maneira centralizada. Ele é um meio de coleta de informações sobre o trânsito, concentrando o histórico dos trajetos de todos os usuários em um único lugar. Ele possibilita o planejamento do trânsito com dados reais, detalhados e em tempo real, sendo de grande utilidade para as prefeituras. Ele permite diminuir os congestionamentos através da orientação dos motoristas, pedestres, caroneiros, ciclistas e passageiros de táxi e transporte público, que recebem incentivos ao utilizarem os meios de transporte mais indicados conforme dia e horário, atualizados em tempo real. O aplicativo Vita é a plataforma mais completa já criada que possui potencial real para a redução dos congestionamentos, trazendo saúde e benefícios econômicos para a população e as cidades. Somente com caronas, é possível reduzir em torno de 8% o número de carros nas vias da grande São Paulo.

2. Cadastre-se:

Cadastre-se para receber atualizações do projeto e seja o primeiro a utilizá-lo quando for lançado comercialmente! http://goo.gl/forms/b2hLuLa9OL

3. Problema:

Os meios de transporte urbano podem ser classificados em não motorizados (bicicleta, a pé), motorizados individuais (carro, táxi, motocicleta) e motorizados coletivos (metrô, trem, ônibus). Em 2012, a região metropolitana de São Paulo registrou um total de 43,7 milhões de trajetos, com 68% destes tendo sido realizados por transportes motorizados. Dentre os transportes motorizados, os individuais representam 45,7% dos trajetos, realizados por 4,6 milhões de carros e motocicletas, enquanto os coletivos representam 54,3% (Fonte: [2]).

Apesar de transportes motorizados individuais e transportes motorizados coletivos realizarem quantidades de trajetos relativamente próximas, grandes diferenças podem ser vistas entre estes dois modelos de transporte do ponto de vista econômico. Em 2008, um estudo mostrou que os transportes individuais geravam um custo de R$ 4,8 bilhões em emissões de poluentes, contra R$ 1,9 bilhões gerados por transporte coletivo (Fonte:[3]) Ainda, o valor de patrimônio necessário (infra-estrutura e valores de veículos) para o transporte individual se mostra enormemente superior ao necessário para o transporte coletivo, na ordem de 1,44 trilhões contra 207,5 bilhões, respectivamente. (Fonte: [4]). Da mesma forma, os custos de manutenção também são maiores para o transporte individual, de 104,1 bilhões de reais, contra 25 bilhões de reais referente ao transporte coletivo (Fonte: [5]). É fácil notar que o custo para se manter o transporte individual motorizado é imensamente superior ao custo para se manter o transporte coletivo motorizado, tanto para os indivíduos que utilizam tais transportes quanto para o poder público.

Além do aspecto financeiro, o transporte coletivo ganha do individual também no aspecto ambiental. Todos os meios de transporte motorizados somados geram cerca de 28,1 milhões de toneladas de poluição, com 61% desse valor vindo apenas dos carros (Fonte: [6]). Portanto, uma substituição de trajetos em transportes motorizados individuais por trajetos em transportes motorizados coletivos ou, melhor ainda, trajetos em transportes não motorizados proporciona não só uma grande diminuição de gastos como também uma grande diminuição da poluição no meio ambiente.

Porém, como podemos ver nesta passagem: “O colapso da mobilidade também afeta os transportes coletivos. No metrô e nos trens urbanos, a ocupação chega a até nove passageiros por metro quadrado em horários de pico, que agora se estendem das 7h às 9h, das 11h às 13h e das 18h às 21h. Nesses horários, até mesmo ônibus em corredores exclusivos são afetados: a velocidade cai sensivelmente e longas filas de veículos se formam nas plataformas de embarque e desembarque” (Fonte: [7]).

Em média, cada comutação, ou seja, trajeto de um ponto até outro, em São Paulo leva 1 hora e meia, totalizando no mínimo 3 horas disperdiçadas no trânsito por dia para quem vai e volta do trabalho ou da escola. Em um ano, isto representa 45 dias inteiros parado dentro de um veículo respirando ar poluído (Fonte: [8]).

Resumindo, os malefícios da má gestão e escolha do meio de transporte principal das metrópoles não são apenas financeiros e temporais, também afetam a saúde pela poluição, estresse e sedentarismo (medidos neste aplicativo pela geração de CO², tempo perdido no trânsito, estresse e gasto de calorias). Ainda, o transporte público não atinge a capacidade em número de pessoas e nem as expectativas de conforto e segurança necessárias para encorajar um número suficiente de pessoas a utilizarem este modelo de uma forma que descongestione as vias da metrópole.

Então, qual será a solução para os quilômetros e mais quilômetros de congestionamentos?

4. Solução:

Antes de montar um plano para solucionar um problema, sempre deve-se observá-lo de forma criteriosa, classificando seus pontos em comum e suas peculiaridades. Porém, como observar o trânsito que possui milhares de entidades particulares independentes e que não seguem padrões? O ideal é coletar os dados de cada entidade, juntá-los em um único lugar e então agrupá-los conforme similaridades. Foi pensando nisso e na vontade de criar uma solução integrada para todos os tipos de transporte, que criamos o Vita. Muito mais do que um aplicativo, é uma plataforma que coleta informações, permite a sua análise, planejamento de soluções viáveis para os engarrafamentos e serve de canal de orientação para cada usuário do trânsito, como uma central de comando de tráfego.

Este aplicativo funciona como um banco de dados para todo deslocamento realizado pelo usuário. O principal valor do aplicativo se encontra no armazenamento de todos os trajetos realizados pelo usuário, incluindo a data, hora e local de partida e de chegada, o meio de transporte utilizado, custo do transporte, emissão de CO² gerada, tempo gasto e mais alguns detalhes importantes do deslocamento. No caso de um motorista, também são colhidos os dados de média de consumo de combustível do veículo, valor médio pago por litro de combustível, número de acompanhantes e capacidade de ocupantes do veículo. O aplicativo calcula as calorias gastas em cada trajeto a partir dos dados de peso, sexo e idade do usuário. Todas estas informações são guardadas e podem ser acessadas a qualquer momento, permitindo uma análise sobre os benefícios e malefícios de cada tipo de transporte, para que o usuário tenha lucidez, faça uma análise de dados reais e possa escolher qual é o comportamento mais saudável tanto para si, quanto para a sociedade e a natureza.

Do lado da gestão do trânsito, tem-se os dados de milhares de usuários centralizados, atualizados em tempo real e detalhados. Dados estes que atualmente são adquiridos a cada 10 anos com pesquisas de porta em porta, como a Pesquisa de Mobilidade da Região Metropolitana de São Paulo, que teve sua última atualização no ano de 2012. Através destes dados centralizados pode-se entender o comportamento anonimamente dos usuários, de uma forma customizada e massiva ao mesmo tempo. Uma vez possuindo estes dados precisos e combinados, abre-se um leque de oportunidades: a) estudo de comportamento de usuários do trânsito; b) conscientização customizada sobre más opções e hábitos de transporte; c) melhoria do transporte a partir de políticas públicas embasadas em dados reais e atuais; d) possibilidade de coordenar a população em prol de uma reordenação do trânsito com ações combinadas, concomitantes a partir de um gerenciamento centralizado (pode-se fazer aqui uma analogia à uma estação de controle de vôo de um aeroporto, que já tem resultados garantidos de uma maior eficiência e segurança do tráfego); e ainda e) reduzir o número de veículos nas ruas pela conscientização dos malefícios do transporte motorizado individual (carros) e ao conectar pessoas que possuem uma migração pendular similar, para que realizem estes trajetos frequentes compartilhando um meio de transporte.

O usuário, por sua vez, possui os benefícios de salvar o histórico detalhado de seus trajetos, classificados separadamente por meio de transporte utilizado. Isto permite ao usuário um controle centralizado dos custos e hábitos de transporte. O usuário recebe automaticamente indicações de meios de transporte mais eficientes do que o utilizado, possui acesso aos seus dados individuais de custos, emissões de poluentes, tempo no trânsito, níveis de estresse e saúde, e pode inclusive comparar com a média geral dos usuários. Como um benefício adicional, o usuário ainda acumula pontos a cada km trafegado, podendo trocar por caronas, descontos em lojas e serviços de empresas parceiras e prêmios promocionais.

5. Diferenciais:

Os diferenciais deste aplicativo estão no armazenamento de histórico das viagens de todos os usuários em um único local e no canal de comunicação que permite a coordenação do trânsito. O histórico individual reúne informações essenciais para uma escolha do meio de transporte eficiente e lúcida; O histórico centralizado de todos os usuários permite a análise e planejamento de soluções para o trânsito; E o canal de comunicações viabiliza uma coordenação de cada agente do trânsito (usuário), habilitando uma execução do plano de descongestionamento das vias. Ainda, este canal de comunicações possui uma via de envio de reclamações do usuário para a central.

Somando a estes diferenciais, o Vita já inclui um método automático para diminuir o número de veículos nas ruas, que é a possibilidade de caronas seguras. Esta funcionalidade é única porque ela permite a conexão de duas pessoas com trajetos similares somente quando estas realmente realizam os trajetos, coletando os dados a partir das suas posições reais, provindas dos seus GPS.

Por final, o Vita traz algumas funcionalidades simples, porém com grande valor para algumas situações, como por exemplo: Sempre que é realizado um trajeto de táxi, ao final da corrida o aplicativo salva o número do táxi, para caso o usuário perca algum pertence pessoal em seu interior.

6. Resultados Possíveis:

Conforme dados retirados da WRI, World Resources Institute, na grande São Paulo são realizados 43.715.000 trajetos por dia. Destes, 22.934.000 são trajetos pendulares por motivo de trabalho ou estudo, ou seja, trajetos que possuem a mesma frequência de dias da semana e horário, portanto, trajetos regulares, chamados aqui de pendulares.O número total de trajetos para ida e volta do trabalho é de 15.872.000, divididos em 9.014.000 realizados por meios de transporte coletivo, e 6.858.000 por meio de transporte motorizado individual (motos e carros). Retirando o número de trajetos para o trabalho realizado com motos (aproximadamente 500.000), obtemos o número de trajetos pendulares realizados por carros individualmente: 6.358.000. Aplicando a redução de 17% obtida no projeto TDM, temos um total de trajetos realizados por carros reduzido em 1.080.860, o que representa uma redução de 7,95% do número total de trajetos realizados por carro na Grande São Paulo, ou ainda, 540.430 carros a menos nas ruas todos os dias úteis. (Fonte: [8])

Entendemos que muito além de somente dados estatísticos do transporte de uma região com uma população gigantesca, como a de São Paulo, é necessário criar ferramentas que consigam orientar cada indivíduo componente do trânsito para ocorrer uma efetiva melhora. Para orientá-lo é necessário primeiro informá-lo e educá-lo de quais são as consequências de seu comportamento e qual é o seu papel dentro da sociedade. Após isto, deve-se criar um meio de orientá-lo a como colaborar e diminuir o impacto negativo, e incentivá-lo a tomar as melhores decisões. Se possível, recompensando-o por cada uma delas. E, por final, mostrar os resultados globais destas ações coordenadas e executadas em conjunto de todos.

Com base nestes conceitos, o aplicativo Vita surge como esta ferramenta de conexão entre todos os usuários, centralização da informação em tempo real, fonte de informação e educação, orientação para o usuário com sistema de incentivos e recompensas, e, por fim, um termômetro automatizado, aberto ao público, e em tempo real para medição e fonte de informação dos resultados de cada ação realizada em prol de um trânsito mais eficiente.

7. Fontes

([1] - http://www.papodehomem.com.br/solucoes-para-o-transito-transporte-publico-gratuito-a-loucura-que-ja-existe/)

[2] - http://www.metro.sp.gov.br/metro/arquivos/mobilidade-2012/relatorio-sintese-pesquisa-mobilidade-2012.pdf

[3] - http://www.mobilize.org.br/estatisticas/9/custos-da-emissao-de-poluentes-e-dos-acidentes-de-transito-por-modo.html

[4] - http://www.mobilize.org.br/estatisticas/10/valores-de-patrimonio-envolvido-na-mobilidade-2008.html

[5] - http://www.mobilize.org.br/estatisticas/8/custos-individuais-e-sociais-da-mobilidade-2008.html

[6] - http://www.mobilize.org.br/estatisticas/6/poluentes-emitidos-pelos-veiculos-por-modo-2008.html

[7] - http://www.mobilize.org.br/midias/pesquisas/estudo-mobilize-20111.pdf, página 61.

[8] - http://www.wri.org/blog/2015/03/3-ways-sao-paulos-companies-helped-curb-traffic-congestion

Built With

+ 5 more
Share this project:
×

Updates